1 ano de Irlanda! (lembrete: isso não é um blog de viagens)

Antes de começar a escrever sobre 1 ano na Irlanda, quero primeiro deixar claro que este não é mais um daqueles blogs de CASAL QUE LARGOU TUDO PARA SE AVENTURAR PELO MUNDO. Não, não é. E sim, largamos tudo para vir para o outro lado do mundo, mas a intenção deste blog é mandar notícias para os amadinhos que ficaram no Brasil ou que se espalham por outros cantos desse mundão de meu Deus.

Pois bem. Continuemos. Nessa semana completamos 1 ano aqui na Irlanda. Parece que cada ano que passamos longe da nossa zona de conforto vale por dez. É a impressão que dá: que estamos aqui há mais tempo, que estamos mais velhos ainda e que aprendemos muito mais coisas.

Viver num lugar com pessoas de umas 15 nacionalidades é impressionante e enriquecedor. Trabalhar com pessoas com necessidades especiais é, por um lado, como trabalhar com quaisquer pessoas: exige paciência, experiência e coração aberto para aprender todo dia porque nenhuma situação é igual à outra. Por outro lado, tem uma coisa mágica em trabalhar com quem vê a realidade de forma totalmente diferente da nossa. Eles conseguem enxergar o que não enxergamos e carregam uma simplicidade sem tamanho. Isso, graças a Deus, ainda não deixou de ser novidade pra gente. Aprendemos todos os dias com eles.

IMG_2141 IMG_2236

O Camphill é um estilo de vida em extinção. Com todos os regulamentos e exigências do governo irlandês (seguindo o modelo do Reino Unido), está cada vez mais difícil manter o caráter da instituição de núcleos familiares onde as pessoas dividem suas vidas o tempo todo, morando juntas, trabalhando juntas. Estamos em risco de desaparecer em alguns anos e estamos trabalhando para que isso não aconteça. A coisa toda é cansativa, mas é muito bonita. Morar e trabalhar no mesmo lugar exige muito de nós, mas nunca vi coisa melhor nesse mundo para as pessoas com necessidades especiais. Aqui elas têm família (quando muitos já não têm laços de sangue), ambiente de trabalho adaptado para eles, valorização e carinho.

Já como casal esse “isolamento” de tudo e de todos está nos fazendo amadurecer bastante. Como “a gente só tem a gente” (e a Bea, mas isso é outra história), o jeito é fazer acontecer tudo da melhor forma. A cada dia nos tornamos mais amigos e mais companheiros. Quando tem problema, não tem outra forma senão sentar, conversar, resolver e orar pra Deus continuar abençoando a gente. Tem sido assim e posso dizer pra quem for que casamento é uma coisa MUITO legal.

Nossa vida aqui tem sido muito simples – saímos da cidade grande pra vir morar na zona rural de uma cidade de 10.000 habitantes. Amamos morar numa fazenda. Temos o escritório com janela pra um grande gramado onde volta e meia tem lebre correndo ou as vacas fugindo do caminho do curral. Vemos o nascer do sol na janela do quarto e o por do sol da varanda (pra quem não sabe o sol aqui anda de banda; ele não cruza o céu como no Ceará). Bebemos o leite das vaquinhas daqui e na medida do possível plantamos para nos alimentar. Claro que isso não inclui a nossa pizza do Tesco e os biscoitos de chocolate do Felipe.

IMG_1991 IMG_1990 IMG_1697IMG_2168 IMG_2377

Não é fácil ser imigrante, principalmente em país europeu. Pra quem pensa que é só alegria viver fora do Brasil, aconselho parar pra pensar quais são suas prioridades. Em um ano sentimos muito por termos perdido aniversários, casamentos e momentos felizes junto de parentes e amigos, mas nossos projetos de vida e prioridades nos trouxeram pra cá. Quando se é imigrante você pode esquecer toda aquela história de bater no peito e exigir seus direitos. Direitos a gente tem no Brasil; aqui nosso direito é viver bem pacificamente, engolindo sapos e tentando ficar de boa com muitas situações aparentemente injustas. Quando colocamos tudo na nossa balança o saldo é positivo. Mas não é pra todo mundo.

Em um ano deu pra viajar um bocado pra outros países e ainda conhecer um bom pedaço da Irlanda (paixão!). O fato de termos 5 semanas de férias por ano permite ter uma folguinha de vez em quando. Daí a gente morre de tirar foto e postar e o povo pensa que a gente vive viajando. Não mesmo. A gente rala muito pra ter essas semaninhas de folga.

IMG_2460 IMG_1821 IMG_2185

A comunicação com família e amigos tem acontecido principalmente por telefone e aquele aplicativozinho do ícone verde do qual não vou fazer propaganda. A gente acaba perdendo o contato com algumas pessoas que faziam parte da rotina, principalmente as do trabalho, mas… fazer o quê?

Pra fechar: estamos contentes. Procuramos nos desvincular do conceito comum de felicidade e de observar a “grama do vizinho”, daí o que acontece é uma onda de contentamento quase diária por tudo o que temos e por tudo o que Deus nos tem permitido viver. Isso não está diretamente vinculado à Irlanda, mas à sensação de estar no lugar certo, na hora certa.

IMG_2391 IMG_1986

Advertisements

Verão em Barcelona!

Quando digo pras pessoas sonharem, me chamam de doida. Mas todo mundo sonha – alguns talvez não acreditem nos próprios sonhos, outros têm medo de verbalizar e serem chamados de loucos, outros simplesmente sonham. Felipe e eu somos assim: volta e meia estamos nas Filipinas, ou montando nosso próprio negócio ou ainda morando num lugar diferente a cada 3 meses – tudo em sonhos.

Quando ainda éramos viajantes wannabes ficávamos falando em morar na Europa, ir à Barcelona no verão e passar o Réveillon em Londres. Os dois primeiros já aconteceram e o terceiro está com voo marcado. Por isso digo que sonhem; as paredes Deus tem ouvidos e se for a Sua vontade Ele realiza MESMO.

Resolvemos comemorar nosso primeiro ano de casados em Barcelona, no auge do verão europeu. Foi uma experiência extraordinária, com seus devidos altos e baixos que aqui registraremos.

Era uma tarde de agosto quando deixamos nossa Duffcarrig para pegar o trem pra Dublin. Começamos nossas férias por lá, ao lado dos amigos Napô e Henrique. Fizemos tudo que turistas fazem por lá, fechando com pub e músicas irlandesas. Que povo alegre, viu?!

IMG_20140808_215021 IMG_0142
IMG_0147 IMG_20140808_221643

Então partimos pra Barcelona. A chegada foi… bem… como voltar a Fortaleza (em termos de clima). Pra quem já estava mal acostumada à Irlanda, foi um baque – muuuuuito quente, gente. Pegamos o trem do aeroporto pra área mais central de Barcelona e, saindo da estação, demos logo cara com Gaudí e suas peripécias – estávamos em frente a Casa Batlló.

IMG_0150

Daí começamos cedo a perceber algo sobre Barcelona. Não há uma esquina sequer que seja feia (ao menos por onde passamos e olha que tentamos fugir da zona so called turística).

IMG_0213 IMG_0216
IMG_0209 IMG_0149

Como isso não é um blog de turismo, podemos dar só uma visão geral do que vivemos e por onde passamos. Fomos SIM aos principais pontos turísticos como Plaça de Catalunya, Parc Güell, Barceloneta, Montjuïc, Sagrada Família e por aí vai. Posso dizer que Sagrada Família não foi lá essas coisas. Antes de opinar vou logo dizendo que o que eu disser pode ser fruto de ignorância na área de arquitetura e que em momento nenhum quero agredir religião ou fé de ninguém, ok?! Então… por dentro pode ser mesmo uma aventura por entre os dotes arquitetônicos de Gaudí, mas por fora… parece uma grande salada de frutas sem data pra terminar. #prontofalei Isso, o calor e os lugares lotados foram os pontos fracos de Barcelona. O resto todo é lindo. Mesmo que o programa seja uma caminhada pelas ruas de um bairro qualquer, tudo é bonito e cheio de detalhes.

O Parc Güell fica no topo do bairro de Gràcia. Se você não quiser entrar na parte paga, ainda assim vale a pena ir, pois tem uma vista maravilhosa da cidade e de lá dá pra descer caminhando por esse bairro tradicional e cheio de surpresas – padarias deliciosas, praças, bares e restaurantes estilosos, gente da terra passeando com suas crianças ou conversando com os amigos. Mais tranquilo que a zona central. Nos hospedamos no coração de Barcelona, mas da próxima vez que formos quero ficar em Gràcia.

IMG_0172 IMG_0180 IMG_0184

Gostamos de Montjuïc mais ainda do que de Parc Güell. É possível chegar lá de teleférico ou de funicular. Da estação a gente pega um ônibus que nos deixa no topo, no Castell de Montjuïc. Tem gente que aluga bike, carrinho, pega o ônibus pra descer; a gente preferiu descer a pé e a grande surpresa foi a vista e as diversas praças que a gente encontrou na metade do caminho.

IMG_20140812_171202 IMG_20140812_170711
IMG_20140812_162242 IMG_0259 IMG_0260

Descendo e descendo chegamos ao Museu Nacional D’Art de Catalunya, que é uma construção do tipo UAU! com uma vista ampla pra Plaça de Espanya.

IMG_0275
IMG_0285
 IMG_0289 IMG_0270

Na descida para a praia de Barceloneta através do calçadão de Las Ramblas a gente encontra muitos restaurantes, lojas e principalmente o mercado de San Josep de la Boqueria. Esse é um MUST GO. Não dá pra ficar sem ir. São tantas cores, aromas e sabores que não dá para experimentar tudo num dia só. Não vou sair descrevendo todas as frutas, pratos e especiarias que a gente encontrou lá, então dá uma olhada nas fotos e baba.

IMG_20140811_111725 IMG_20140811_111626 IMG_20140811_111505 IMG_20140811_110850
IMG_20140811_110730 IMG_20140811_110650
IMG_20140811_110639 IMG_20140811_110106
IMG_20140811_105824 IMG_20140811_105802 IMG_20140811_105721 IMG_20140811_105614
IMG_0229 IMG_0228 IMG_20140811_110759 IMG_0230

E no fim do calçadão, a orla marítima de Barcelona. Sei que cansa eu ficar dizendo que é lindo, mas gente…

IMG_20140810_081220 IMG_0253
IMG_20140810_101947 IMG_20140810_081811 IMG_20140810_081209

E mais: Arco do Triunfo, Parc de la Ciutadella e Catedral.

IMG_0236  IMG_0235 IMG_0239  IMG_20140813_104151 IMG_20140813_102403

Acho que esse post já está longo o bastante, mas eu poderia falar e mostrar bem mais de Barcelona, pois é uma cidade com uma infinidade de coisas para se ver, de gente pra conhecer, de sabores para experimentar. Passamos 5 dias lá e não fizemos toda a lista de atividades que o lugar oferece. Nossa dica é: vá. Não importa sua idade, sua área de interesses, se está sozinho ou acompanhado. Vá. Barcelona é uma cidade democrática, de mobilidade fácil, que respeita a tudo e todos. Uma supercidade.

E então, de volta à nossa Irlandinha.