Por enquanto ainda aqui

Fort

Fortaleza, mesa de trabalho, 15:18.

Felipe e eu vivemos o frio na barriga de esperar um pouco mais de um mês pra que nossas vidas mudem. Fomos chamados para coordenar uma das casas de um projeto onde já trabalhamos. Não, não vamos viver luxuosamente na Europa – vamos trabalhar (e muito!) e focar num estilo de vida que, pra nós, vale muito mais a pena.

Ambos nascemos em Fortaleza-CE-Brasil, que é uma cidade linda, mas com problemas graves de desigualdade social, violência e corrupção. Não é muito diferente de muitas outras cidades dos Brasil e por certo tempo até toleramos conviver com tudo isso. Mas enfim a violência chegou muito perto, roubou nossa qualidade de vida e começamos a pensar em voltar pra Irlanda.

Isso: voltar.

Já moramos lá há alguns anos. À época, largamos tudo para voluntariar numa instituição para pessoas com necessidades especiais e é para lá que estamos voltando. Entre comentários como “que loucos!” e “que irado!”, não tivemos muito que avaliar o que os outros estavam pensando, pois pra nós o chamado foi bem claro – a vontade de morar fora era muito grande e as portas se abriram de uma forma que não poderíamos negar ter a mão de Deus no meio. Então… vamos.